ESCRITOS DO GABRIEL

(Tentar que nossas palavras sejam, através de nós ou, quiçá, apesar de nós.
Meus textos, meus rascunhos com erros... )



"Então, um dia comecei a escrever, sem saber que estava me escravizando para o resto da vida a um senhor nobre, mas impiedoso. Quando Deus nos dá um dom, também dá um chicote – e esse chicote se destina exclusivamente à nossa autoflagelação."

Introdução do livro Música para Camaleões, de Truman Capote.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Vicio

Temos um vicio nos sentidos.

Não distinguimos
o invisível,
o frágil e mudo
lado das janelas
que abriga cheiros e cores provisórias
do dia.

De tudo que passa,
apenas o que passa,

fica

sem deixar vestígios.

4 comentários:

Maria Rodrigues disse...

Gabriel,


Como sempre tão verdadeiro, e por isso, Belo!
abs.
maria

ps. Obrigada pela delicadeza das palavras. Desejo-lhe o mesmo; mas, sobretudo, torço para que mantenhas esses laços tão borgeanamente sinceros com a poesia.

Gabriel Gómez disse...

Muito obrigado Maria...
Ontem foi meu aniversário e hoje estou viajando para Buenos Aires... Vou pegar um pouco daquele ar poético que Borges tão bem somou na sua poesia.
Boa passagem de ano!

Colecionadora de Silêncios disse...

Gabriel, poeta querido, vc é genial!!! :)

Eu amo seus escritos, pois são tão carregados de sentimentos, de vida. São lindos!

Aproveito a oportunidade para desejar a vc um 2011 repleto de saúde e alegrias, muitas realizações! :)

Que no próximo ano nós possamos manter essa amizade maravilhosa que nasceu pelas mãos da poesia. Sinto-me muito honrada em terminar este ano estando entre os seus amigos. Obrigada por isso.

Grande abraço! :)

Cassandra disse...

Deixa saudades, antes mesmo de passar....

Obrigada!

Beijo.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails