ESCRITOS DO GABRIEL

(Tentar que nossas palavras sejam, através de nós ou, quiçá, apesar de nós.
Meus textos, meus rascunhos com erros... )



"Então, um dia comecei a escrever, sem saber que estava me escravizando para o resto da vida a um senhor nobre, mas impiedoso. Quando Deus nos dá um dom, também dá um chicote – e esse chicote se destina exclusivamente à nossa autoflagelação."

Introdução do livro Música para Camaleões, de Truman Capote.

sábado, 24 de outubro de 2009

Verdade, mentira (1)

O livro da mentira deve ter, com certeza, muitas páginas. Enquanto existe uma verdade, parece haver infinitas argumentações contrárias. E não precisa ser oposta. Um milímetro fora, já é outra coisa qualquer, deturpada, inexata. (Que dizer então quando se apresentam entrelaçadas?) Seu universo é muito mais amplo, espaçoso. E neste ambiente, tudo é provável. Onde a verdade é gasta, obsessiva, a mentira se derrama aberta, caudalosa de brilho alheio. E o que parece pior: enquanto uma dói, a outra se apresenta como piedosa, fácil e suave ao paladar. Uma não tem preço, a outra se vende, cede constantemente e estuda-se como arte. Dois lados do mesmo rosto; um verossímil, outro inacreditável. Mentir para não magoar; o sabor amargo da verdade e a doce mentira engolida, que lambe, consola. Juntas, uma coalha a outra, abarrotando limites, perdendo sabores e princípios. E não contrastam. A mentira é lubrificada, a verdade é a seco.
Alejandro Dolina disse ter, no bairro portenho de Flores, dois livros mágicos: um é o livro da verdade; o outro, da mentira. O incrível desta história é que, enquanto o primeiro contém todo tipo de noção exata, revelações únicas da origem do mundo, as fórmulas da arte, até o complexo processo do amor, e o segundo só consigna falsidades, dados corrompidos, levando ao erro quem, porventura, possa e queira consultá-lo; existe um detalhe sinistro nos dois: o livro da mentira é falso até mesmo no seu título, e passa pelo livro da verdade. Os desafortunados leitores acreditam ter consultado o outro livro. Assim, não há quem pense que suais ideias são oriundas do volume da mentira...
(Trecho do texto "Verdade, mentira" do livro Borges e outras ficções)

5 comentários:

Sapinha Ilhoa disse...

Já constatou Fernando Pessoa: existe mais de uma verdade. Daí já comecei discordando!
bj

Gabriel Gómez disse...

Sim: a tua, a minha e a verdadeira... Bj.

Lu Luz disse...

mário quintana: a mentira é uma verdade que esqueceu de acontecer. =}

Beto Lima disse...

VERDADE: conformidade com a realidade, veracidade. coisa verdadeira. exatidão. sinceridade. representação de realidade da natureza.
MENTIRA: afirmação contrária à verdade.

Gabriel Gómez disse...

A verdade é que tudo é mentira, menos a mentira que é pura verdade, disse-lhe a mentira, de verdade, à verdade. E esta respondeu: Mentira!
Obrigado pelo comentário... (Verdade)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails